Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Célula Estaminal

Célula Estaminal

05
Nov08

"A new dawn of American leadership is at hand"

Domesticada

 

Obama anuncia o fim do cinismo, do derrotismo, do Estado mentiroso e do líder individualista. A chegada de Obama é a chegada daqueles que o puseram no topo, ao topo. É a chegada à vitória da massa jovem que se dizia alienada, da comunidade afro-americana que se dizia desinteressada, da sociedade americana que acredita na manifestação de poder nacional através da inteligência e unidade, e não pela força.

 

A vitória de Obama é a vitória de uma putativa minoria que afinal é uma maioria sólida e com uma voz activa. É a prova de que a América não estava tão orgulhosa como se julgava, que não estava tão satisfeita com o seu lugar no mundo como se julgava. E hoje todas essas pessoas que fazem o país, os "novos que não gostam de política", as "minorias étnicas" que não se sentem representados e os "adult white male" que acreditam na guerra mudaram a nossa ideia deles. E com essa mudança, mudaram o mundo.

 

 

Obama não é o messias, não é um santo nem um demónio, não é um Preacher nem um Soldier. Obama pertence a uma estirpe de político que achávamos morta. Ele não é nada de novo, ele é algo de clássico que os valores modernos apagaram. É alguém que quando diz Democracia, Liberdade ou Progresso, não estamos automaticamente a imaginar palavras escritas num lado de um F16 prestes a bombardear um país estrangeiro, em nome dos good old american values. Quando Obama invoca a Democracia, nós voltamos a acreditar nela. Porque ele próprio é a prova de que a Democracia existe e não é só uma palavra que se usa numa t-shirt. Tal como não são a Oportunidade, a Liberdade, e a tal  Unyielding Hope, a esperança que não cede nunca.

 

O sonho americano renasceu hoje, e renasceu não sob a forma de ódio ou força ou intansigência. O sonho americano já não é ter dois SUVs à porta, um relvado à frente de casa e uma carreira perfeita. O sonho americano que renasce hoje é um sonho simples e humilde. É a capacidade de acreditar que é possível ser melhor, é possível progredir, é possível compreender, é possível unir.

 

 

O Yes We Can deveria ser o hino da nossa geração, deveria ser o hino destes anos 2000. E se , do outro lado do atlântico, eles podem, nós podemos também. E sem vergonha de parecer ingénua, e com orgulho de, desde o primeiro dia, ter sido a maior e mais fervorosa crente em Barack Obama, sei que este é o momento que a nossa geração tem de, finalmente, ter uma voz. E que a mudança destes governos sinistros, destes tempos cinzentos, destes líderes ausentes, desta sociedade gelada é possível.

 

Yes. We. Can.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

"Personally I'm always ready to learn, although I do not always like being taught." Winston Churchill
mariajoaoso (arroba) gmail.com

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2005
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D