Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Célula Estaminal

Célula Estaminal

08
Dez07

Escrita Inteligente

Domesticada
Nem sempre tinha desejado ouvir as palavras da boca de alguém. Teve, aliás, relações várias em que até desejaria ter ouvido menos as ditas palavras. Teve relações em que um “cala-te e despe-me” era a reacção mais habitual ao ouvir as palavras, a palavra. Para mais o hífen irritava-a. Deveriam ser duas palavras. Tenho este sentimento, e é por ti. Assim, separadas. Para se saber ao certo de que sentimento estamos a falar e de que pessoa estamos a falar. Porque o hífen tirava peso às duas.

E nunca um “amo-te”. Ama-se muitas coisas, muitas pessoas. O amor não tem assim tanta importância, dar amor não é assim tão difícil. Ela, por exemplo, tinha amado todos os homens com quem se tinha deitado. Todos sem excepção, até os que não lhes sabia o nome, os que via umas noites depois e não reconhecia se tinha estado com eles ou não. Amou-lhes as coxas, o cabelo, a boca, as mãos. Amou-os nem que fosse por um segundo, e eles sabiam. E tinha sido amada também. Tanto que fazia dela uma pessoa pior. O amor faz monstros de nós todos.

O que importava era o outro sentimento, aquele que nos põe no pedestal. Aquele que diz: deito-me aos teus pés, olho para o teu corpo nu e tremo só de pensar em tocá-lo, por não o merecer, por não querer estragar a beleza que guardas, apesar de estarmos no chão da tua casa desarrumada e porca e com a casa a cheirar a sexo e velas. Apesar de te amar uns segundos do dia e odiar-te nos outros, de te achar maluca, de te achar genial, de não te suportar e não te largar, apesar de tudo isso eu sinto isto por ti.

Nem sempre desejou ouvi-las por transportarem com elas uma responsabilidade que não queria ter. Mas hoje sente que precisa delas. Não, que raio, que as merece. Sente que não acaba este dia sem que ele as diga ou ela morre. Falta-lhe o ar, falta-lhe fôlego para inspirar o fumo do cigarro. Falta-lhe calma e temperança.

De repente o telefone vibra no colchão ao seu lado. Pega no objecto e sente um amor por ele. Ama o telefone (o amor é fácil), o telefone não a desiludiu. Recebeu um sms.

“Censo-te”.

1 comentário

Comentar post

"Personally I'm always ready to learn, although I do not always like being taught." Winston Churchill
mariajoaoso (arroba) gmail.com

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2005
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D